Centro Virtual Cervantes
Arte

Refranero multilingüe > Buscador > Ficha Paremia
Refranero multilingüe

Se Maomé não vai à montanha, a montanha vai a Maomé

Paremia

Idioma: Português

Enunciado: Se Maomé não vai à montanha, a montanha vai a Maomé

Traducción literal: Si Mahoma no va a la montaña, la montaña va a Mahoma

Marcador de uso: De uso actual

Fuentes: Pinto2000 p. 112; Souza p. 257

Variantes

Enunciado: Se Maomé não vai à montanha, vai a montanha a Maomé

Traducción literal: Si Mahoma no va a la montaña, va la montaña a Mahoma


Enunciado: Se Maomé não vai à montanha, que vá a montanha a Maomé Machado1996 p. 553

Traducción literal: Si Mahoma no va a la montaña, que vaya la montaña a Mahoma


Contextos

Contexto: «Robinho comprou uma mansão em Manchester [...] desembolsou cerca de 2,65 milhões de euros pela casa que, além das habituais mordomias, tem também uma máquina de fazer neve. É que Robinho nunca viu cair neve. E como diz o ditado: se Maomé não pode ir à montanha, vai a montanha até Maomé...» (Jornal Record, 28 de diciembre de 2008). Portugal.

Contexto: «Diz o ditado que, se Maomé não vai à montanha, a montanha vai à Maomé. Se trocarmos Maomé por pessoas que não costumam ir ao teatro, e montanha por espetáculos teatrais, fica assim: “se pessoas não vão a espetáculos teatrais, o teatro vai até elas”. Esta é a premissa do projeto “O teatro vai aos bairros”, realização do Cena Minas, em parceria com a Companhia Corpo de Prova» (Jornal Vale do Aço, 4 de noviembre de 2010). Brasil.

Contexto: «[...] entro num restaurante para tomar uma refeição [...] tratei logo de pedir ao empregado que me indicasse o prato mais rápido que me poderiam servir… mas ele simplesmente levantou os ombros mostrando-se desinteressado em dar-me qualquer palpite. [...] quando o empregado se afastou da mesa dos recém-chegados, e olhou para o lado em que me encontrava, aproveitei para atirar-lhe um “faz favor, pode chegar aqui?”, acompanhado de um aceno de mão, que dizia “Já me decidi”. Ele ignorou-me, [...] De modo que, fui ter com a balconista e, a sorrir, disse-lhe: Se a montanha não vai até Maomé, o Maomé vai até a montanha!. Ela replicou zangada: “O ditado não é assim» (O País Online, 10 de septiembre de 2010). Mozambique.

Centro Virtual Cervantes © Instituto Cervantes, 1997-2014. Reservados todos los derechos. cvc@cervantes.es